34. (CESGRANRIO – TRANSPETRO – ADMINISTRADOR/2006)

A ocorrência de Alavancagem Operacional é resultante da(o):

(A) operação de compra e venda, quando o valor da venda é superior em, pelo menos, 50% ao valor da compra.
(B) presença de encargos financeiros fixos no fluxo de lucros da empresa.
(C) existência de custos operacionais fixos no fluxo de lucros da empresa.
(D) constatação da existência de custos operacionais fixos, simultaneamente à existência de encargos financeiros fixos e, ainda, dividendos elevados na estrutura operacional da empresa.
(E) grau do resultado marginal obtido pela empresa nas operações de investimento e de financiamentos realizadas.

COMENTÁRIO:

Vamos lá, no blog essa é a primeira questão que fala sobre alavancagem. Então falarei logo sobre todos os tipos.

O conceito básico de alavancagem vem da alavanca da física mesmo, onde eu imprimo uma força em um lado da alavanca, essa força é sentida em outro ponto e, levando-se em consideração um determinado ponto de apoio.
Para cada tipo de alavancagem teremos onde faremos a força, onde essa força será sentida e qual o ponto de apoio, que deverá sempre se manter constante para avaliação.

1 – Alavancagem operacional: Revela como uma alteração no volume de atividade influencia sobre o resultado operacional da empresa. Em outras palavras, com uma variação de X% no meu volume de vendas em quanto aumentará meu lucro operacional? Essa é a relação que a alavancagem operacional. Para isso eu preciso de um ponto de apoio, essa relação somente será válida se na comparação dos períodos antes e após a variação no volume de vendas os custos operacionais fixos se mantenham fixos. Uma variação nos custos fixos levam essa relação por terra, já que o que ela nos diz é a relação VOLUME DE VENDAS (RECEITA DE VENDAS) vs. LUCRO OPERACIONAL.

Quando se fala na receita de vendas, se fala na receita líquida (margem de contribuição total), ou seja, já descontados os custos variáveis.

Logicamente, a alavancagem operacional só será considerada caso exista um custo fixo, pois caso não exista, a própria receita é o lucro e não tem sentido comparar os dois fatores.

Para não perder o fio da meada, existem duas fórmulas para calcular o Grau de Alavancagem Operacional.

I – GAO = Porcentagem de variação no lucro operacional / Porcentagem de variação no volume de atividade

II – GAO = Receita líquida de vendas (margem de contribuição total) / Lucro operacional

Note que para a fórmula I, temos sempre que ter dois períodos para comparar a variação. Já a fórmula II não precisa, porém só pode ser calculado caso a questão já dê os custos variáveis ou não os considere.

A interpretação é a seguinte, por exemplo:
GAO = 3 – Quer dizer que a cada real que eu variar (para + ou para -) minha receita de vendas, a modificação será de 3 reais no meu lucro operacional.

2 – Alavancagem financeira: Pegando a mesma relação da física, na alavancagem financeira a parte onde imprimiremos a força será o LAJIR (lucro antes de juro e imposto de renda) e onde vamos ver os efeitos será no LAIR (lucro antes do imposto de renda). O ponto de apoio, no caso, são os juros pagos.
Assim como na alavancagem operacional a relação não existe sem custo fixos, aqui a relação não existe sem os juros.

I – GAF = Porcentagem de variação no LAIR / Porcentagem de variação no LAJIR

II – GAF = LAJIR / LAIR

As considerações e interpretações são as mesmas, levando em conta, logicamente, a mudança de variável.

GAF = 2 – Para cada real variado no LAJIR, varia 2 no LAIR.

3 – Alavancagem combinada: O nome já sugere, é uma combinação das duas. A força será feita no volume de vendas e os resultados será obtidos lá no LAI, mantendo-se agora custo fixo e despesa com juros existentes e constantes.

I – GAC = Porcentagem de variação no LAIR / Porcentagem de variação no volume de vendas

II – GAF = Volume de vendas / LAIR

Levando-se em consideração a mesma interpretação e considerações das outras duas, fazendo as ressalvas das variáveis mudarem.

Analisando cada ítem da questão:

(A) operação de compra e venda, quando o valor da venda é superior em, pelo menos, 50% ao valor da compra. – Isso não tem aboslutamente nada a ver com alavancagem.
(B) presença de encargos financeiros fixos no fluxo de lucros da empresa. – Isso indica a alavancagem financeira.
(C) existência de custos operacionais fixos no fluxo de lucros da empresa. – Resposta certa. Como vimos, sem custos fixos não existe a alavncagem operacional.
(D) constatação da existência de custos operacionais fixos, simultaneamente à existência de encargos financeiros fixos e, ainda, dividendos elevados na estrutura operacional da empresa. – Alavancagem combinada.
(E) grau do resultado marginal obtido pela empresa nas operações de investimento e de financiamentos realizadas. – Nada a ver com alavancagem.

RESPOSTA LETRA C

2 Comentários


  1. Bruno, blz?! sou agora frequentador do seu blog cara, participo do grupo de estudos da petrobras tbem, gostaria de dar uma dica, sempre que possível citar as referências das teorias que vc usa pra resolução das questões, acho isso MUITO interessante. E antes que eu me esqueça PARABÉNS PELO TRABALHO REALIZADO NESSE BLOG, espero que os seus objetivos (conforme descrito naquele e-mail que vc enviou para o grupo) se realizem. Forte abraço, SEREMOS COLEGA de empresa! U can bet on that!

    Responder

    1. Valeu Sirley!
      Muito bom ter mais de um local para estudo. Tento fazer com o Blog um local para estudos de administradores aqui na Internet.

      Quanto a Bibliografia, em algumas questões eu coloco e outras nao! Mas abri, lá em cima do blog você pode ver, uma parte só para falar de biblografia, então basicamente sigo aqueles livros, quando mudar eu coloco sim na questão!

      Valeu!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Captcha Captcha Reload